Quarta-feira, 15 de Março

Manutenção da malha viária

Manutenção da malha viária é fundamental para o desenvolvimento da economia goiana



O bom estado da malha viária das rodovias estaduais é fundamental para o desenvolvimento da economia goiana. A avaliação é do presidente  da Agência Goiana de Transportes e Obras (Agetop), Jayme Rincón. “A partir do momento que nós temos uma malha viária pavimentada, bem cuidada e sinalizada, eu não tenho dúvida alguma que vamos ser um estado de atração de novos investimentos e de novas empresas”, afirma.

Neste sentido, a Agetop dará continuidade aos serviços de melhorias das rodovias goianas  e , para isso, contará com o volume de R$ 1,3 bilhão anunciado pelo Governo de Goiás para investimentos até o final de 2018. As obras seguem o que preconiza o Goiás Mais Competitivo, iniciativa do governador Marconi Perillo que busca implementar um plano estratégico de atuação governamental no curto e longo prazo, pautado em indicadores de gestão que auxiliarão o estado na melhoria da qualidade de vida, ampliação da competitividade econômica e eficiência da gestão pública.

A Agetop possui quatro eixos de ação dentro do Goiás Mais Competitivo: Manutenção, Reconstrução, Rodocargas e a concessão de 890 quilômetros de rodovias.

Manutenção
O Programa Rodovida Manutenção cobre toda a malha pavimentada e não pavimentada, de 21,6 mil quilômetros, com prioridade para a sinalização vertical e horizontal, e implantação de defensas – grades de proteção. Mesmo durante o período chuvoso, o trabalho é realizado rotineiramente com frentes de serviço distribuídas em vários trechos.

São feitos reparos como localizados na pista e nos acostamentos (tapa-buracos), nas vias pavimentadas, e de reconformação (patrolamento) e nivelamento nas não pavimentadas. Todas ganham roçagem das margens das rodovias e limpeza em geral. “Temos 12 mil rodovias pavimentadas e 9 mil não pavimentadas que recebem as equipes diuturnamente. Nessa época de chuva é lógico que temos uma dificuldade maior para executar os serviços, mas nós estamos com as nossa máquina funcionando, apesar da crise”, observa Rincón.

Além da economia, as melhorias na infraestrutura das GOs visam atender os parâmetros estabelecidos pela Confederação Nacional de Transportes (CNT) e garantir a segurança da população. Goiás avançou do 14º lugar no ranking nacional no quesito rodovias boas e ótimas em 2015 para o 9º em 2016, segundo levantamento da instituição. O índice saltou de 5,3 % para 15,6% quando se analisa as rodovias em boas/ótimas condições de trafegabilidade.

Reconstrução

As rodovias com problemas apontadas pela CNT estão incluídas no Programa Rodovida Reconstrução 3, cujas obras já foram licitadas, contratadas e receberam ordens de serviço de início. De uma malha de 12 mil quilômetros, a Agetop reconstruiu 5,5 mil, restando apenas 2 mil para serem reconstruídos.

No programa Rodovida Reconstrução 3, estão inclusas as GOs que possuem grande importância econômica para a logística do estado, sendo boa parte delas utilizada para o escoamento da produção do agronegócio.

As obras serão executadas em 573,2 quilômetros.

Concessão de rodovias
O processo de concessão de rodovias goianas está em fase de estudo pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). A Agetop adianta que, ao todo, serão repassados à iniciativa privada, por meio de licitação pelo período de 30 anos, o total de 890 quilômetros compreendendo os seguintes trechos: GO-010, trecho entre Goiânia e entroncamento com a GO-330; GO-020/330, trecho entre Goiânia e Catalão; GO-060, trecho entre Goiânia e Piranhas; GO-070, trecho entre Goiânia e cidade de Goiás; GO-080, trecho entre Goiânia e São Francisco; GO-213, trecho entre Morrinhos e Caldas Novas.

De acordo com Rincón, o objetivo da medida é melhorar a qualidade da infraestrutura do transporte rodoviário. “Pedágio é aplicado no mundo inteiro e eu defendo que é a taxa mais justa que existe. Só paga quem usa e todo mundo que usa tem um benefício, rodovias bem mantidas, mais seguras, bem sinalizadas, toda uma infraestrutura de apoio aos motoristas, de primeiros socorros, de resgate, de guincho. O benefício que o cidadão tem é muito maior do que ele vai pagar”, avalia.

Rodocargas
O projeto Rodocargas visa a adequação e ativação de dez postos de pesagem nas rodovias estaduais. Também está em elaboração um termo de referência para licitação e construção de mais postos de pesagem.

Fonte: http://www.goiasagora.go.gov.br/